domingo, 5 de fevereiro de 2017



TEXTO PARA LEITURA ( 3 º ANO)                 

MATERIALISMO DIALÉTICO DE MARX



O ser humano é histórico-social
    
O alemão Karl Marx (1818-1883) é, provavelmente, um dos pensadores que maior  influência exerceu sobre a filosofia contemporânea.Tomando conhecimento dos escritos de sua época, desenvolveu então uma atividade teórica de análise da realidade social, que culminou na fundamentação teórica do socialismo marxista e uma atividade prática de participação da organização de movimentos de trabalhadores.Em virtude dessas atividades, Marx viveu, juntamente com sua família, longos períodos de exílio e grandes dificuldades financeiras.


Crítica de Marx ao idealismo hegeliano

 Contrapondo sua filosofia ao idealismo hegeliano,Marx afirma na introdução do livro Ideologia Alemã:
    "Os pressupostos com os quais começamos não só arbitrários, nem dogmas, são pressupostos reais dos quais só é possível abstrair na imaginação.Os nossos pressupostos são os indivíduos reais, a sua ação e as suas condições materiais de vida"
 Marx procurou, portanto, compreender a história real dos homens em sociedade a partir das condições materiais nas quais eles vivem. Denominada essa visão, posteriormente por Friedrich Engels, de materialismo histórico.
 Visão materialista da história
 Para Marx , não existe o indivíduo formado fora das relações socias. Ele enfatiza esse ponto ao afirmar: " A essência humana (...) é o conjunto das relações socias." Esse é um ponto fundamental da filosofia de Marx. Ao falar da produção material da vida, ele não se refere apenas à produção das inúmeras coisas necessárias à manutenção física dos indivíduos, ele considera também o fato de que, ao produzirem todas essas coisas, os homens constroem a si mesmos como indivíduos. Isso ocorre porque, segundo Marx, " o modo de produção da vida material condiciona o processo geral de vida social, política e espiritual." 

Capital e trabalho

 Em O capital, livro em que expõe a lógica do modo de produção capitalista, no qual a força de trabalho é transformada em uma mercadoria com dupla face: por um lado, é uma mercadoria como outra qualquer, paga pelo salário; por outro, é a única mercadoria que produz valor, ou seja, que produz o capital.

Dialética marxista

  Conforme afirma no pósfácil da segunda edição de O capital, "meu mérito dialético não só difere do hegeliano, mas também a sua antítese direta."Marx reconhece o mérito de Hegel por ter sido o primeiro a expor as formas gerais da dialética, mas alega que é preciso desmistificá-la, expondo o seu núcleo racional. De acordo com Marx, as grandes transformações históricas se deram primeiramente no campo da economia, causadas por contradições geradas no interior do própio modo de produção. Diferentemente de Hegel, no entanto, Marx não concebe uma história que anda sozinha, guiada por uma Razão ou um Espírito, mas sim uma história feita pelos homens, que interferem no processo histórico e podem, dessa forma, transformar a realidade social, sobretudo se alterarem seu modo de produção.

Modo de prodição e forças produtivas

Modo de produção é a maneira como se organiza a produção material em um dado estágio de desenvolvimento social.Essa maneira depende do desenvolvimento das forças produtivas(a força do trabalho humano e os meios de produção, tais como máquinas, ferramentas etc.)e da forma de relações de produção. Ele afirma que a passagem de um modo de produção para o outro se dá no momento em que o nível de desenvolvimento das forças produtivas entra em contradição com as relações sociais de produção.

Luta de classes

 Marx sintetiza na afirmação de que a luta de classes é o motor da história,  isto é, a luta de classes faz a história se mover. Por isso, no Manifesto comunista(1848), escrito em parceria com Engels, Marx afirma:
   " A história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história das lutas de classes.(...)"
De acordo com Karl Marx, o capitalismo também criou uma classe revolucionária. Essa classe seria o proletariado.
Marxismo depois de marx

 150 anos após a publicação de suas obras, grande parte de seu pensamento ainda não foi plenamente compreendida, sendo objeto de muitos estudos e discussões.Depois de sua morte, a teoria maxista passou a ser descutida entre intelectuais ligados à cuasa socialista, tanto em relação à sua compreensão teórica quanto à sua atualidade e utilidade para a compreensão da realidade social de hoje. 

Alemanha

Eduard Bernsteim (1850-1932) fez uma revisão da teoria marxista na qual um de seus aspectos fundamentais, a revolução proletária, é negado em favor de reformas políticas que conduzam a democracia.
 Karl Kautsky(1854-1938) não aceitva o reformismo de Bernstein, reafirmando por isso a teoria marxista. Entendia, porém o processo de derrocada do capitalismo ao socialismo como algo inevitável da história, diferente de Marx que entendia como possibilidade, caso houvesse condições objetivas para isso.
Rosa de Luxemburgo (1870-1919)era contrária os dois. Acreditava que o socialismo era uma tendência no interior do desenvolvimento histórico, mas só seria alcançado com a ação do proletariado orgnizado e consciente.

União Soviética

Lênin(1870-1922) foi o grande líder da revolução russa.Considerava necessária a existência de um partido político formado por homens "cuja a profissão é a ação revolucionária ".A função desse partido seria fornecer orientação teórica e prática ao proletariado.
Leon trotsky(1879-1940)foi figura central na revolução russa de 1917.Defendia a ideia de uma revolução permanente, pela qual se evitasse a burocratização do Partido Comunista, também propunha a expansão do socialismo.
Joséf Stálin(1878-1953) fortaleceu o marxismo-leninismo comoum dogma, na tentativa de consolidar o "socialismo em 
um só país", uma vez que se frustrou a expectativa de que a revolução se estendesse a outros países.

Itália

Antonia Gramsci(1891-1937) contribuiu para a teoria marxista desenvolvendo reflexões sobre a importância da ideologia.Segundo ele, a classe dominante, para governar com eficácia, necessita criar o consentimento popular, também hegemonia.

Hungria

György Lukásc(1885-1971)enfatizou a necessidade de pensar a sociedade como um todo, ligando dialeticamente os fatos entre si.

França

Louis Althusser (1918-1990) distinguiu dois momentos distintos da produção intelectual de Marx.Dessa forma, a filosofia de Althusser reduz a dimensão do sujeito no processo histórico, chegando ao extremo de afirmar que a história é um processo sem sujeito.

Outros nomes

 Além dos nomes relacionados, há muitos outros autores importantes ligados ao marxismo, como Ernst Bloch, István Meszáros, Agnes Heller e eoutors.Também os filósofos que formam a chamada Escola de Frankfurt.

TEXTO PARA LEITURA: ( 3º ANO)


POSITIVISMO DE COMTE


'Amor por princípio, ordem por base, progresso por fim'
  
Augusto Comte(1789-1857)estudou matemática e ciência na Escola Politécnica de Paris.Foi secretário e assessor, durante sete anos, do filosofo Saint Simon(um dos primeiros expoentes do socialismo), cuja influência intelectual inspirou-lhe a ideia de criar uma ciência social específica, que chamou sociologia.
  
O que é positivismo

   Positivismo é a designação da doutrina criada por Comte, fundada na extrema valorização do método científico das ciências positivas (baseadas nos fatos e na experiência) e na recusa das discussões metafísicas. O termo positivismo foi caracterizado por Comte, defenindo toda uma diretriz para a sua filosofia, de culto da ciência e sacralização do método científico.
   O positivismo se caracteriza por um tom geral de confiança nos benefícios da indústrialização, bem como por um otimismo em relação ao progresso capitalista, guiado pela técnica e pela ciência.
 Lei dos três estados: evolução histórica do conhecimento
A lei dos três estados resume o pensamento de Comte.São eles:
1. estado teológico ou fictício- estágio representante do ponto de partida da inteligência humana, no qual os fenômenos do mundo são vistos como produzidos por seres sobrenaturais.O ponto culminante desse estado é a passagem do politeísmo ao monoteísmo.
2. estado metafísico ou abstrato-  estágio em que a influência dos seres sobrenaturais do estágio teológico foi substituída pela ação de forças abstratas consideradas como representantes dos seres do mundo.
3. estado científico ou positivo- estágio onde o homem pelo raciocínio e pela observação entende os fenômenos do mundo.

Objetivo e características do positivismo

O objetivo do método positivo de investigação é a pesquisa das leis gerais que regem os  fenômenos naturais.Ver para prever é o lema  da  ciência  positiva.O conhecimento cientifico torna-se,desse modo instrumento de transformaçãoda realidade, de domínio do homem sobre a natureza.As transformações impulsionadas pelas ciências visam o progresso;este, porém, deve estar subordinado á ordem.Temos , então, um novo lema positivista, aplicado á sociedade:ordem e progresso.
    Na obra discurso sobre o espírito positivo, Comte aponta as características fundamentais que distinguem o positivismo das demais filosofias.Seriam o seu compromisso com a?
    *Realidade - pesquisa de fatos concretos, acessíveis á nossa inteligência , deixando de lado a preocupação com mistérios impenetráveis referentes ás causas primeiras e últimas dos seres;
    *Utilidade - busca de conhecimentos destinados ao aperfeiçoamento individual e coletivo do homem , desprezando as especulações ociosas, vazias e estéries;
    *Certeza - obtenção de conhecimentos capazes de estabelecer a harmonia lógica na mente do próprio indivíduo e a comunhão em toda a espécie humana.
     *Precisão - estabelecimento de conhecimentos  que se opõem ao vago , baseados em  enunciados rigorosos.
     *Organização - tendência  a organizar , construir metodicamente , sistematizar o conhecimento  humano;
     *Relatividade - aceitação de conhecimentos científicos relativos.    

Reforma da sociedade

     Um dos temas centrais da obra filosófica de Comte é a necessidade de um reorganização completa da sociedade.
     Essa reconstrução da sociedade consistia, para Comte , na regeneração  das opiniões (ideias) e dos costumes (ações) dos homens . tratava-se , portanto, de uma  reestruturação intelectual   das pessoas  e não  de uma  revolução das instituições sociais .
    A reforma da sociedade proposta por Comte deveria obedecer aos seguintes passos:reorganização intelectual , depois moral e por  fim,  política.
    Em relação aos conflitos entra proletários e capitalistas , Comte  assumiu uma posição considerada reacionária  e conservadora. Defendendo a legitimidade da exploração industrial, concordava com a divisão das classes sociais e considerava indispensável a existência dos empreendedores capitalistas e dos operadores diretos, o proletariado.Nos últimos 15 anos de sua vida, decidiu criar uma nova seita religiosa, denominada Religião da Humanidade.A deusa dessa religião possuia traços de sua amada Clotilde de Vaux e os santos eram pensadores como Dante, Shakespeare, Galileu, Adam Smith, etc.Elaborou também o Catecismo positivista,destinado a difundir os princípios religiosos da nova seita.



                           vídeo-aula augusto comte(3ºano)

Assista a vídeo-aula e responda as questões abaixo:

Exercícios:  Augusto Comte ( 3º ANO)

Questao 1

(UNIOESTE)A filosofia da História – o primeiro tema da filosofia de Augusto Comte – foi sistematizada pelo próprio Comte na célebre “Lei dos Três Estados” e tinha o objetivo de mostrar por que o pensamento positivista deve imperar entre os homens. Sobre a “Lei do Três Estados” formulada por Comte, é correto afirmar que

a) Augusto Comte demonstra com essa lei que todas as ciências e o espírito humano desenvolvem-se na seguinte ordem em três fases distintas ao longo da história: a positiva, a teológica e a metafísica.
b) na “Lei dos Três Estados” a argumentação desempenha um papel de primeiro plano no estado teológico. O estado teológico, na sua visão, corresponde a uma etapa posterior ao estado positivo.
c) o estado positivista apresenta-se na “Lei dos Três Estados” como o momento em que a observação prevalece sobre a imaginação e a argumentação, e na busca de leis imutáveis nos fenômenos observáveis.
d) para Comte, o estado metafísico não tem contato com o estado teológico, pois somente o estado metafísico procura soluções absolutas e universais para os problemas do homem.

Questão 2
O positivismo foi uma das grandes correntes de pensamento social, destacando-se, entre seus principais teóricos, Augusto Comte e Émile Durkheim. Sobre a concepção de conhecimento científico presente no positivismo do século XIX, é correto afirmar:

a) A busca de leis universais só pode ser empreendida no interior das ciências naturais, razão pela qual o conhecimento sobre o mundo dos homens não é científico.
b) Os fatos sociais fogem à possibilidade de constituírem objeto do conhecimento científico, haja vista sua incompatibilidade com os princípios gerais de objetividade do conhecimento e a neutralidade científica.
c) Apreender a sociedade como um grande organismo, a exemplo do que fazia o materialismo histórico, é rejeitado como fonte de influência e orientação para as investigações empreendidas no âmbito das ciências sociais.
d) A ciência social tem como função organizar e racionalizar a vida coletiva, o que demanda a necessidade de entender suas regras de funcionamento e suas instituições forjadas historicamente.
e) O papel do cientista social é intervir na construção do objeto, aportando à compreensão da sociedade os valores por ele assimilados durante o processo de socialização obtido no seio familiar.

Questão 3
O positivismo é a linha de pensamento dominante no trabalho de Comte. Sobre essa corrente de pensamento, marque a alternativa correta:

a) o pensamento positivo baseia-se no bom humor e na felicidade, que devem comandar as ações do sujeito social moderno que busca entender os conflitos que se instauram no mundo pós-revolução industrial.
b) as classes sociais sempre estarão em conflito generalizado entre si, uma vez que o caráter positivo da realidade de uma sempre resultará em resultados negativos para as outras.
c) o conhecimento verdadeiro só pode ser obtido por meio da experimentação e pelo aferimento científico.
d) o mundo palpável e observável insere-se dentro do conceito de conhecimento negativo, e a jornada espiritual voltada para Deus configura-se como o conhecimento positivo.

Questão 4
Comte acreditava que os problemas sociais e as sociedades, em geral, deveriam ser estudadas com o mesmo rigor científico das demais ciências naturais. A partir dessa premissa, Augusto Comte cunhou o nome “Sociologia”, que seria dado à nova área de estudo que se dedicaria às sociedades. Qual era o objetivo principal da sociologia de Comte?

a) Transformar o meio social fixo e imutável do século XIX, de forma a inserir perspectivas relativistas acerca do pensamento humano.
b) Demonstrar que o mundo é um lugar violento e degenerado, em que a busca pelo pensamento positivo é impossível.
c) Entender os efeitos do estranhamento cultural entre diferentes indivíduos em sua convivência com suas diferenças culturais.
d) Entender as leis que regem nosso mundo social, ajudando-nos a compreender os processos sociais e dando-nos controle direto sobre os rumos que nossas sociedades tomariam.




VIDEO-AULAS PARA 3ºANO

KARL MARX LUTAS DE CLASSES



                                                                         

                                                                   MARX ALIENAÇÃO

                                                                                 

               OBS: ASSISTA AS AULAS PARA RESPONDER AS QUESTÕES.  

Exercicios para 3º anos Karl Marx


QUESTÃO 1
(Unimontes)
A questão das classes sociais ocupa um papel fundamental na teoria de Karl Marx. Para ele, existem condicionantes e determinantes na complexa relação entre indivíduo e sociedade e entre consciência e existência social. Considerando as reflexões de Karl Marx sobre esse tema, marque a alternativa incorreta.
a) A luta de classes desenvolve-se no modo de organizar o processo de trabalho e no modo de se apropriar do resultado do trabalho humano.
b) A luta de classes está presente em todas as ações dos trabalhadores quando lutam para diminuir a exploração e a dominação.
c) Em meio aos antagonismos e lutas sociais, o indivíduo pode repensar a realidade, reagir e até mesmo transformá-la, unindo-se a outros em movimentos sociais e políticos.
d) As classes sociais sustentam-se em equilíbrios dinâmicos e solidários, sendo a produção da solidariedade social o resultado necessário à vida em sociedade.

QUESTÃO 2
(Uema)
As sociedades modernas são complexas e multifacetadas. Mas é com o capitalismo que as divisões sociais se tornam mais desiguais e excludentes. Marx já observara que só o conflito entre as classes pode mover a história. Assim sendo, para o referido autor, em qual das opções se evidencia uma característica de classe social?
a) O status social e cultural dos indivíduos.
b) A função social exercida pelos indivíduos na sociedade.
c) A ação política dos indivíduos nas sociedades hierarquizadas.
d) A identidade social, cultural e coletiva.
e) A posição que os indivíduos ocupam nas relações de produção.

QUESTÃO 3
É a condição material dos indivíduos que determinaria os demais aspectos de sua vida. A importância dada por Marx a esse quesito de nossas vidas é justificada, segundo sua teoria, em razão do impacto que a situação econômica de um sujeito tem em sua trajetória de formação.
Essa linha de pensamento é chamada de:
a) Evolucionismo material.
b) Capitalismo selvagem.
c) Contratualismo.
d) Materialismo histórico.

QUESTÃO 4
Para Marx, o capital era o principal ponto a ser investigado para que fosse possível entender as mudanças sociais que surgem em um dado momento. Entende-se por capital:
a) a mais-valia absoluta.
b) qualquer bem que possa ser investido para gerar mais lucro.
c) o sistema econômico que surgia naquele momento.
d) o sistema de exploração do homem pelo homem.


sábado, 4 de fevereiro de 2017


VÍDEO-AULAS (3º ANO)

                                         











                                                                         
                                                                                                                                     


Filosofia Contemporânea I (3ºano)


Século XIX: Avanços técnicos, industrialização e conflitos sociais.
Como o tema já sugere podemos destacar como acontecimentos principais desse período os seguintes fatos:
  1. Consolidação do capitalismo;
  2. Revolução Industrial;
  3. Inovações Tecnológicas;
  4. Conflito entre a burguesia empresarial e os trabalhadores devido a exploração do trabalho humano;

Progresso e Desumanização
  Considera-se a Revolução Francesa como o marco inicial da época contenporânea, esse movimento , em grande parte, liderado pela burguesia que reivindicaram participação no poder político e na construção de um novo modelo de sociedade.Além dos anseios próprios também trouxe à cena as aspirações dos trabalhadores urbanos e campesinato e essas aspirações iriam gerar as lutas e correntes socialistas dos século XIX, denunciando as condições que se encontravam os trabalhadores. Em contra partida notório também se tinha o otimismo em relação ao poder da razão.
   Os complexos caminhos da sociedade colocaram grandes questoes a serem discutidas, surgindo diversas propostas para os dilemas humanos.

ROMANTISMO
Exaltação do indivíduo, da emoção e da natureza
O romantismo reagiu contra o espírito racionalista, captando precocemente  que a racionalização e a mecanização caracterizariam o mundo industrial, e intuiu a ameaça que nesse processo representava a expressão humana, tendo em vista que os sentimentos individuais estariam sendo deixados em segundo plano.
Vejamos algumas características:
  1.Exaltação dos sentimentos;
  2.O sujeito era o centro da visão romântica do mundo;
  3.Deus assumindo uma linguagem emocional, ou seja, a linguagem do coração;
  4.Amor a Pátria;
  5.Exaltação da natureza;
Destaques do romantismo:
Beethoven(1770-1827),Schumann(1810-1856), entre outros destaques na música, e os  escritores temos: Goethe(1749-1832), Novalis(1772-1801) entre outros.

Difusão do romantismo
  O romantismo está presente na filosofia como características reconhecidas em vários filósofos da contemporaneidade.É o caso do pensamento de Rousseau que tinha reservas em relação à crença no progresso científico, além de ter concebido o bom selvagem, personagem oriundo de uma idealização da natureza.Isso fez com que Rosseau fosse classificado como pré-romântico.Outro exemplo da influência romântica é o idealismo alemão.

IDEALISMO ALEMÃO: A busca de um sistema unificador do real
Caracteriza-o como idealismo alemão a determinação pela filosofia moderna e por Kant. Ele explicitou sua tese idealista na Crítica da razão pura, em que afirma que " das coisas só conhecemos a priori aquilo que nós mesmos colocamos nela. Assentou as bases do que seria conhecido como idealismo alemão.

Fichte e Schelling: princípios unificadores
Fichte é um dos filósofos pioneiros nesse movimento.Devemos retomar a Kant para entender o conceito fundamental do idealismo alemão. Para Kant a existência do sujeito como centro (o Eu) é o que torna possível e dá forma ao conhecimento, pois é o sujeito que organiza o conhecimento do objeto, ao passo que este apenas se encaixa nos "moldes" da percepção humana. Então, Fichte transformou o Eu de Kant de princípio da consciência em princípio criador de toda a realidade.Segundo ele, trazemos em nós concepções lógicas das coisas do universo e este,reflete as mesmas.Ele chegou a referir-se às coisas da realidade, ao que é exterior ao homem, como o não-Eu criado pelo Eu.
  Essa mesma ideia é amadurecida por Friedch Schelling, para ele existe um único princípio, uma inteligência exterior ao próprio Eu, que rege todas as coisas. Essa inteligência se manifesta de forma visível em todos os níveis da natureza até alcançar seu nível mais alto, concluindo que o homem ou, mais geralmente, o que nós chamamos de razão.Trata-se de uma noção mais compreensível ao senso comum, pois apresenta afinidade com Deus.

Hegel: o projeto de conhecimento universal
 Foi o principal expoente do idealismo alemão buscando respostas para o maior número de questões, ele tentou reconcilias a filosofia com a realidade.Entre suas principais obras temos: Fenomenologia do Espírito, Princípios da filosofia do direito e Lições sobre a história da filosofia.   

Espírito e movimento dialético
O primeiro ponto é o entendimento da realidade como espírito, isso significa pensar a realidade como processo, como movimento, e não somente como coisa. O segundo ponto diz a respeito do movimento da realidade.Por movimento dialético, Hegel caracteriza os diversos momentos sucessivos( e contraditórios) pelos quais determinada realidade se apresenta.Ele entende esse movimento do real, ou do espírito que se realiza, como um movimento que se processa em três momentos: ser em-si ; fora-de-si e o último para-si, usando o seguinte exemplo:"A semente é em-si a planta, mas ela deve morrer como semente e, portanto, sair fora-de-si, a fim de poder se tornar, desdobrando-se, a plante para-si."Com isso vemos que a realidade para Hegel é um contínuo devir, onde um prepara o outro e para que o próxima aconteça o anterior necessita ser negado.Esse três momentos são comumente chamados de tese, antítese e síntese.

Consciência rumo ao saber absoluto
Para entender a dialética da realidade de Hegel é preciso ter um ponto de vista absoluto, ele firma que a consciência que alcança o saber absoluto atinge a razão, supera então o entendimento finito e adquire a certeza de ser toda a realidade, desse modo a razão alcançaria a consciência da unidade entre ser e pensar,harmonizando a subjetividade e objetividade.O fio condutor dessa reflexão totalizante é a relação entre o finito e o infinito.O trabalho da filosofia seria o caminhar da consciência rumo ao saber absoluto, a busca da infinitude a partir da consciência finita.

Relação entre filosofia e história
  Como sistema filosófico a obra de Hegel procurou demostrar o caminho do conhecimento finito ao absoluto em vários campos,nisso ele reconheceu no espírito três momentos:
   1. o Espírito subjetivo- que se refere ao indivíduo e à consciência individual;
   2. o Espírito objetivo- que se refere às instituições e costumes historicamente propostos pelos homens;
   3.o Espírito absoluto- que se manifesta na arte, na religião e na filosofia, como espírito que se compreende a si mesmo.
   Para Hegel a história é o desdobramento do espírito objetivo e o mesmo é a realização da liberdade na sociedade e se manifesta no diretito, na moralidade e na "eticidade", englobando família, sociedade e estado.O estado pólítico é o momento mais elevado do espírito objetivo.A filosofia da história deve captar o movimento histórico não como momentos estanques, mas do ponto de vista da Razão, do absoluto.Desse ponto de vista, a história é uma contínua evoluçaõ da ideia de liberade, que se desenvolve segundo um plano racional.Hegel sintetiza essa concessão com a frase:"Tudo que é real é racional,tudo que é racional é real".
Contestação do sistema hegeliano
Vários filosófos constestaram a filosofia de Hegel de uma forma parcial ou em seu conjunto.Surgindo os neo-hegelianos de direita e os neo-hegelianos de esquerda que queriam adequar a filosofia hegeliana a seus projetos políticos.

Feuerbach: ser concreto e materialismo
 O que mais se destacou na crítica à filosofia hegeliana foi Ludwing Feuerbach(1804-1872) ele propôs que a filosofia deveria partir do concreto, do ser humano considerado como um ser natural e social, essa filosofia foi nomeada de materialismo por ter o ser concreto como ponto de partida.Feuerbach influenciaria o pensamento inicial de Karl Marx.

Schopenhauer: vontade e representação
    Foi o que atacou o pensamento hegeliano com mais veemência,para ele Hegel era um veraddeiro charlatão.Para Scopenhauet tudo o que o mundo inclui ou pode incluir é inevitavelmente dependente do sujeito, não existindo senão para o sujeito.O mundo é representação."Dessa forma ele se afastava de Kant e iniciava a sua própria filosofia que se caracterizava por uma visão pessimista do homem e da vida.Para ele, o ser humano seria essencialmente vontade, o que levaria a desejar sempre mais, produzindo insatisfação constante.Ele identifica a vontade como essência do homem e do mundo sendo essa vontade a origem das lutas dos homens, da dor e do sofrimento.A filosofia Schopenhaueriana inspirará as chamadas filosofias da existência.

Kierkegaard: a experiência única da vida
  Como pensador cristão, defendeu o conhecimento que se origina da fé.Afirmava que a existência humana possui três dimensões:
1.a dimensão estética- na qual se procura o prazer;
2. a dimensão ética-na qual se vivencia o problema da liberdade e da contradição entre o prazer e o dever;
3. a dimensão religiosa- marcada pela fé;
   Para ele, cabe ao homem escolher em que dimensão ele quer viver, já que se trata de dimensões que se excluem entre si.Os escritos do autor possuem grande beleza literária e tratam de temas estranhos à objetividade científica de sua época.Normalmente é considerado o pai do existencialismo por destacar as condições da existência humana e incorporá-las às reflexões filosóficas.Em sua obra, ele procurou analisar os problemas da relação existencial do homem com o mundo, consigo mesmo e com Deus:
   1. relação do homem com o mundo- é dominada pela angústia, que é entendida como o sentimento profundo que temos ao perceber a instabilidade de viver num mundo de acontecimentos possíveis, sem garantia de que nossas expectativas sejam realizadas."No possível, tudo é impossível"
   2. a relação do homem consigo mesmo-é maracada pela inquietação e pelo desespero isso porque o homem nunca está plenamente satisfeito com as possibilidades que realizou ou porque não conseguiu realizar o que pretendia, esgotando os limites do possível e fracassando diante de suas expectativas.
  3. a relação do homem com Deus- seria talvez a única via para a superação da angústia e do desespero.Contudo, é marcada pelo paradoxo de ter de compreender pela fé o que é incompreensível pela razão.

POSITIVISMO DE COMTE: Amor por princípio, ordem por base, progresso por fim
  Augusto Comte(1789-1857)estudou matemática e ciência na Escola Politécnica de Paris.Foi secretário e assessor, durante sete anos, do filosofo Saint Simon(um dos primeiros expoentes do socialismo), cuja influência intelectual inspirou-lhe a ideia de criar uma ciência social específica, que chamou sociologia.
  
O que é positivismo
   Positivismo é a designação da doutrina criada por Comte, fundada na extrema valorização do método científico das ciências positivas (baseadas nos fatos e na experiência) e na recusa das discussões metafísicas. O termo positivismo foi caracterizado por Comte, defenindo toda uma diretriz para a sua filosofia, de culto da ciência e sacralização do método científico.
   O positivismo se caracteriza por um tom geral de confiança nos benefícios da indústrialização, bem como por um otimismo em relação ao progresso capitalista, guiado pela técnica e pela ciência.
 Lei dos três estados: evolução histórica do conhecimento
A lei dos três estados resume o pensamento de Comte.São eles:
1. estado teológico ou fictício- estágio representante do ponto de partida da inteligência humana, no qual os fenômenos do mundo são vistos como produzidos por seres sobrenaturais.O ponto culminante desse estado é a passagem do politeísmo ao monoteísmo.
2. estado metafísico ou abstrato-  estágio em que a influência dos seres sobrenaturais do estágio teológico foi substituída pela ação de forças abstratas consideradas como representantes dos seres do mundo.
3. estado científico ou positivo- estágio onde o homem pelo raciocínio e pela observação entende os fenômenos do mundo.

Objetivo e características do positivismo
O objetivo do método positivo de investigação é a pesquisa das leis gerais que regem os  fenômenos naturais.Ver para prever é o lema  da  ciência  positiva.O conhecimento cientifico torna-se,desse modo instrumento de transformaçãoda realidade, de domínio do homem sobre a natureza.As transformações impulsionadas pelas ciências visam o progresso;este, porém, deve estar subordinado á ordem.Temos , então, um novo lema positivista, aplicado á sociedade:ordem e progresso.
    Na obra discurso sobre o espírito positivo, Comte aponta as características fundamentais que distinguem o positivismo das demais filosofias.Seriam o seu compromisso com a?
    *Realidade - pesquisa de fatos concretos, acessíveis á nossa inteligência , deixando de lado a preocupação com mistérios impenetráveis referentes ás causas primeiras e últimas dos seres;
    *Utilidade - busca de conhecimentos destinados ao aperfeiçoamento individual e coletivo do homem , desprezando as especulações ociosas, vazias e estéries;
    *Certeza - obtenção de conhecimentos capazes de estabelecer a harmonia lógica na mente do próprio indivíduo e a comunhão em toda a espécie humana.
     *Precisão - estabelecimento de conhecimentos  que se opõem ao vago , baseados em  enunciados rigorosos.
     *Organização - tendência  a organizar , construir metodicamente , sistematizar o conhecimento  humano;
     *Relatividade - aceitação de conhecimentos científicos relativos.    

Reforma da sociedade
     Um dos temas centrais da obra filosófica de Comte é a necessidade de um reorganização completa da sociedade.
     Essa reconstrução da sociedade consistia, para Comte , na regeneração  das opiniões (ideias) e dos costumes (ações) dos homens . tratava-se , portanto, de uma  reestruturação intelectual   das pessoas  e não  de uma  revolução das instituições sociais .
    A reforma da sociedade proposta por Comte deveria obedecer aos seguintes passos:reorganização intelectual , depois moral e por  fim,  política.
    Em relação aos conflitos entra proletários e capitalistas , Comte  assumiu uma posição considerada reacionária  e conservadora. Defendendo a legitimidade da exploração industrial, concordava com a divisão das classes sociais e considerava indispensável a existência dos empreendedores capitalistas e dos operadores diretos, o proletariado.Nos últimos 15 anos de sua vida, decidiu criar uma nova seita religiosa, denominada Religião da Humanidade.A deusa dessa religião possuia traços de sua amada Clotilde de Vaux e os santos eram pensadores como Dante, Shakespeare, Galileu, Adam Smith, etc.Elaborou também o Catecismo positivista,destinado a difundir os princípios religiosos da nova seita.


MATERIALISMO DIALÉTICO DE MARX
O ser humano é histórico-social
    O alemão Karl Marx (1818-1883) é, provavelmente, um dos pensadores que maior  influência exerceu sobre a filosofia contemporânea.Tomando conhecimento dos escritos de sua época, desenvolveu então uma atividade teórica de análise da realidade social, que culminou na fundamentação teórica do socialismo marxista e uma atividade prática de participação da organização de movimentos de trabalhadores.Em virtude dessas atividades, Marx viveu, juntamente com sua família, longos períodos de exílio e grandes dificuldades financeiras.

Crítica de Marx ao idealismo hegeliano
 Contrapondo sua filosofia ao idealismo hegeliano,Marx afirma na introdução do livro Ideologia Alemã:
    "Os pressupostos com os quais começamos não só arbitrários, nem dogmas, são pressupostos reais dos quais só é possível abstrair na imaginação.Os nossos pressupostos são os indivíduos reais, a sua ação e as suas condições materiais de vida"
 Marx procurou, portanto, compreender a história real dos homens em sociedade a partir das condições materiais nas quais eles vivem. Denominada essa visão, posteriormente por Friedrich Engels, de materialismo histórico.
 Visão materialista da história
 Para Marx , não existe o indivíduo formado fora das relações socias. Ele enfatiza esse ponto ao afirmar: " A essência humana (...) é o conjunto das relações socias." Esse é um ponto fundamental da filosofia de Marx. Ao falar da produção material da vida, ele não se refere apenas à produção das inúmeras coisas necessárias à manutenção física dos indivíduos, ele considera também o fato de que, ao produzirem todas essas coisas, os homens constroem a si mesmos como indivíduos. Isso ocorre porque, segundo Marx, " o modo de produção da vida material condiciona o processo geral de vida social, política e espiritual." 

Capital e trabalho
 Em O capital, livro em que expõe a lógica do modo de produção capitalista, no qual a força de trabalho é transformada em uma mercadoria com dupla face: por um lado, é uma mercadoria como outra qualquer, paga pelo salário; por outro, é a única mercadoria que produz valor, ou seja, que produz o capital.

Dialética marxista
  Conforme afirma no pósfácil da segunda edição de O capital, "meu mérito dialético não só difere do hegeliano, mas também a sua antítese direta."Marx reconhece o mérito de Hegel por ter sido o primeiro a expor as formas gerais da dialética, mas alega que é preciso desmistificá-la, expondo o seu núcleo racional. De acordo com Marx, as grandes transformações históricas se deram primeiramente no campo da economia, causadas por contradições geradas no interior do própio modo de produção. Diferentemente de Hegel, no entanto, Marx não concebe uma história que anda sozinha, guiada por uma Razão ou um Espírito, mas sim uma história feita pelos homens, que interferem no processo histórico e podem, dessa forma, transformar a realidade social, sobretudo se alterarem seu modo de produção.

Modo de prodição e forças produtivas
Modo de produção é a maneira como se organiza a produção material em um dado estágio de desenvolvimento social.Essa maneira depende do desenvolvimento das forças produtivas(a força do trabalho humano e os meios de produção, tais como máquinas, ferramentas etc.)e da forma de relações de produção. Ele afirma que a passagem de um modo de produção para o outro se dá no momento em que o nível de desenvolvimento das forças produtivas entra em contradição com as relações sociais de produção.

Luta de classes
 Marx sintetiza na afirmação de que a luta de classes é o motor da história,  isto é, a luta de classes faz a história se mover. Por isso, no Manifesto comunista(1848), escrito em parceria com Engels, Marx afirma:
   " A história de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a história das lutas de classes.(...)"
De acordo com Karl Marx, o capitalismo também criou uma classe revolucionária. Essa classe seria o proletariado.
Marxismo depois de marx
 150 anos após a publicação de suas obras, grande parte de seu pensamento ainda não foi plenamente compreendida, sendo objeto de muitos estudos e discussões.Depois de sua morte, a teoria maxista passou a ser descutida entre intelectuais ligados à cuasa socialista, tanto em relação à sua compreensão teórica quanto à sua atualidade e utilidade para a compreensão da realidade social de hoje. 

Alemanha
Eduard Bernsteim (1850-1932) fez uma revisão da teoria marxista na qual um de seus aspectos fundamentais, a revolução proletária, é negado em favor de reformas políticas que conduzam a democracia.
 Karl Kautsky(1854-1938) não aceitva o reformismo de Bernstein, reafirmando por isso a teoria marxista. Entendia, porém o processo de derrocada do capitalismo ao socialismo como algo inevitável da história, diferente de Marx que entendia como possibilidade, caso houvesse condições objetivas para isso.
Rosa de Luxemburgo (1870-1919)era contrária os dois. Acreditava que o socialismo era uma tendência no interior do desenvolvimento histórico, mas só seria alcançado com a ação do proletariado orgnizado e consciente.

União Soviética
Lênin(1870-1922) foi o grande líder da revolução russa.Considerava necessária a existência de um partido político formado por homens "cuja a profissão é a ação revolucionária ".A função desse partido seria fornecer orientação teórica e prática ao proletariado.
Leon trotsky(1879-1940)foi figura central na revolução russa de 1917.Defendia a ideia de uma revolução permanente, pela qual se evitasse a burocratização do Partido Comunista, também propunha a expansão do socialismo.
Joséf Stálin(1878-1953) fortaleceu o marxismo-leninismo comoum dogma, na tentativa de consolidar o "socialismo em 
um só país", uma vez que se frustrou a expectativa de que a revolução se estendesse a outros países.

Itália
Antonia Gramsci(1891-1937) contribuiu para a teoria marxista desenvolvendo reflexões sobre a importância da ideologia.Segundo ele, a classe dominante, para governar com eficácia, necessita criar o consentimento popular, também hegemonia.

Hungria
György Lukásc(1885-1971)enfatizou a necessidade de pensar a sociedade como um todo, ligando dialeticamente os fatos entre si.

França
Louis Althusser (1918-1990) distinguiu dois momentos distintos da produção intelectual de Marx.Dessa forma, a filosofia de Althusser reduz a dimensão do sujeito no processo histórico, chegando ao extremo de afirmar que a história é um processo sem sujeito.

Outros nomes

 Além dos nomes relacionados, há muitos outros autores importantes ligados ao marxismo, como Ernst Bloch, István Meszáros, Agnes Heller e eoutors.Também os filósofos que formam a chamada Escola de Frankfurt.